Resultados a longo prazo da correção de óculos com desfocagem perifocal em crianças com miopia progressiva.

© E.P. TARUTTA, O. V. PROSKURINA, N.A. S. V. Tarasova MILASH, G.A. MARKOSYAN

Centro Nacional de Pesquisas Médicas para doenças oculares do FSBI nomeado após com o nome de Helmholt. Ministério da Saúde da Rússia, st. Sadovaya Chernogryazskaya, 14/19, Moscou, 105062, Federação Russa

RESUMO

O desfoque periférico desempenha um papel importante na formação da refração. As lentes perifocais permitem diferenciar
entre a refração central e periférica do olho ao longo do meridiano horizontal e corrigir ou reduzir a hipermetropia periférica.

Objetivo do estudo – Estudar os resultados a longo prazo do efeito do uso de óculos perifocais sobre a dinâmica da
refração em crianças com miopia progressiva.

Material e métodos. Óculos perifocais foram prescritos para crianças de 7 a 14 anos de idade com miopia progressiva de
(-)1,0 D a (-) 6,0 D. As crianças foram examinadas antes da prescrição das lentes perifocais e após 6 meses, 12-18 meses,
2 anos, 3 anos e 4 anos-5 anos. Foram realizados testes com visiômetro, Autorrefratometría antes e após cicloplegia,
biomicroscopia, oftalmoscopia e biometria. A refração periférica foi estudada nos pontos de 15° e 30° nos meridianos nasal
(N15 e N30) e temporal (T15 e T30) sem correção e com óculos perifocais.

Resultados. O desfoque miópico formado em óculos perifocais na zona de 15° em 100% dos olhos, que deu uma média
de – 0,05 ± 0,1 dioptrias em T15°, (-)0,25 ± 0,16 dioptrias em N15° e (-) 0,44 ± 0,03 dioptrias em T30°. Na zona N30 °, o
desfoque hipermetrópico diminuiu 4 vezes e atingiu 0,38 ± 0,03 dioptrias. A taxa de progressão da miopia diminuiu de 0,8
dioptrias (valor inicial) para 0,17 dioptrias em 4-5 anos de acompanhamento. Após 6 meses de uso de óculos perifocais, o
aumento da refração foi de (-) 0,2 ± 0,02 dioptrias (no controle (-) 0,38 ± 0,04 dioptrias), após 12-18 meses (-) 0,38 ± 0,04
dioptrias (no controle – 0,63 ± 0,09 dioptrias), após 2 anos – 0,78 ± 0,06 dioptrias (no controle – 1,18 ± 0,15 dioptrias), após
3 anos, (-) 0,99 ± 0,12 dioptrias (no controle (-)1,65 ± 0,20 dioptrias) . Durante 4 a 5 anos de observação, o aumento da
refração nos pacientes do grupo principal foi de (-)1,16 ± 0,2 dioptrias, o que é 60% menor que os pacientes do grupo de
controle (-) 1.95± 0.2 dioptrias.

Conclusão. O uso constante de óculos perifocais reduz a taxa de progressão da miopia em crianças em 4,5 vezes em
relação ao valor inicial e em 1,6 vezes (em 60%) em comparação aos indicadores em crianças do grupo controle. Óculos
perifocais podem ser recomendados como auxílio óptico para retardar a progressão da miopia.

Palavras-chave: refração, miopia, miopia progressiva, refração periférica, desfoque míope, correção de miopia.
https://doi.org/10.17116/oftalma201913505146

INFORMAÇÕES SOBRE OS AUTORES:

Tarutta E.P. – Dr med. ciências, professor, chefe do departamento de patologia refrativa da visão binocular e oftalmoergonomia; e-mail:
info@igb.ru ; https://orcid.org/0000-0002-8864-4518
O.V. Proskurina – Dr. med. Sci., Investigador Principal, Departamento de Patologia Refrativa, Visão Binocular e Oftalmoergonomia;
e-mail: proskourina@mail.ru ; https://orcid.org/0000-0002-2496-2533
Tarasova N.A. – Cand. Mel. Sci., Investigador Sênior, Departamento de Patologia Refrativa de Visão Binocular e Oftalmoergonomia; e-mail: info @ igb
.ru; https://orcid.org/0000-0002-3164-4306
SV Milash – cientista. sotr. Departamento de Patologia Refrativa, Visão Binocular e Oftalmoergonomia; e-mail: sergey_milash@yahoo. com;
https://orcid.org/0000-0002-3553-9896
Markosyan G.A. – Dr. med. Sci., Investigador principal, Departamento de Patología de refracción de la visión binocular y Oftalmoergonomía; correo electrónico:
info@igb.ru ;
https://orcid.org/0000-0002-2841-6396

Autor correspondente: Proskurina Olga Vladimirovna – e-mail: proskourina@mail.ru

Resultados a longo prazo da correção de óculos com desfocagem perifocal em crianças com miopia progressiva.

A influência dos diferentes métodos de correção e sua integridade no desenvolvimento e progressão da miopia, continua ocupando as mentes
dos pesquisadores da visão [1-3]. À raiz da hipótese do efeito da desfocagem periférico induzido na refração [4], mais e mais tentativas estão
sendo feitas para controlar o crescimento ocular usando meios ópticos que induzem a desfocagem periférica míope no olho. O experimento
mostrou que a desfocagem hipermetrópico periférico induzido estimula o crescimento do olho e a formação de miopia axial, enquanto a miopia,
ao contrário, tem um efeito inibitório na refração [5, 6]. Os resultados de estudos clínicos também indicam um papel para o desfoque
hipermetrópico periférico na estimulação do alongamento ocular [7, 8]. A formação de um desfoque míope periférico explica o efeito estabilizador
da ortoqueratologia [9-13].

Estão sendo feitas tentativas para criar óculos e lentes de contato capazes de formar miopia periférica relativa no olho. Em 2002, foi apresentada
uma descrição de possíveis desenhos de lentes de oftálmicas para a correção da refração não centrada em casos com emetropia, miopia e
hipermetropia, mas exibiam aberrações significativas [14]. Mais tarde, umas lentes especiais foram projetadas para manter a visão central alta e
aumentar o poder positivo em todas as direções radiais. O aumento refrativo da esfera equivalente do centro para a periferia foi de
aproximadamente 1,0 dioptria em 10° em comparação com a refração periférica não corrigida [15]. Na Rússia, uma lente capaz de corrigir a
refração periférica do meridiano horizontal apareceu pela primeira vez em 2012. Essa lente leva um aumento de potência meia de 2.0 D. no lado
nasal e 2.5 D no lado temporal.

Os resultados do estudo feito por V.I. Helmholtz demostrou que a lente Perifocal M diminui a hipermetropia periférica em uma área de 15-30º em
direção nasal e temporal em relação à fóvea. Essa redução foi 5 vezes maior que a lente controle [ 16, 17].

Vários desenhos de lentes de contato hidrofílicas foram propostos para a formação de desfocagem míope periférica, bi e multifocal [18-20].
Os dados iniciais sobre o efeito dos óculos e lentes de contato indutores de desfocagem miópico periférico na progressão da miopia e no
crescimento ocular, são ambíguos.

Nossos colegas chineses não receberam dados convincentes sobre o efeito estabilizador dos óculos projetados para reduzir a hipermetropia
periférica por 6 a 12 meses de uso. O efeito estabilizador foi observado apenas em crianças de 6 a 12 anos com uma história familiar de
elevados valores miópico (o que nos parece muito significativo!). A diminuição na progressão da miopia neste grupo em comparação com o
controle (lentes de visão simple) foi de 0,29 dioptrias durante o período de acompanhamento indicado (menos de 1 ano) [21].

No primer ano de observação, a mudança de esfera equivalente criada pelas lentes que usam um desfoque míope na metade superior foi de
(-)0.38 D. enquanto o pessoal com lentes que induziram um desfoque hipermetrópico semelhante, a medida foi de (-) 0. 65 D. [22].

Em estudos sobre o efeito de lentes progressivas na progressão da miopia, observa-se que esses óculos são capazes de reduzir o desfoque
hipermetrópico pelo menos na metade superior do campo visual, o que proporciona efeito estabilizador. Os resultados de um estudo
randomizado avaliando o efeito dos óculos progressivos, mostraram a capacidade dessas lentes para reduzir a hipermetropia periférica e
retardar a progressão da miopia.

Uma diminuição significativa da progressão da miopia foi obtida em crianças que usavam lentes de contato bifocais especiais (Diferença de
potência em relação a lente de controle foi de 0,57 dioptrias [18], durante o 1 ano de acompanhamento).

Nossos anteriores estudos sobre o efeito estabilizador das lentes Perifocal-M na progressão da miopia, mostraram que o desenho proposto de
lentes indutoras de desfocagem miópico fornece resultados convincentes na estabilização da miopia em comparação com os indicadores do grupo
controle em um período de até 18 meses [17]. A observação contínua de crianças que usam óculos perifocais para corrigir a miopia progressiva
permitirá avaliar seu efeito refrativo nos próximos 5 anos.

O objetivo do estudo é estudar, a longo prazo, os resultados do efeito do uso de lentes perifocais na dinâmica da refração em crianças com miopia
progressiva.

Material e Métodos.

O estudo foi realizado na Instituição Orçamentária do Estado Federal “Centro de Pesquisa Médica Científica para Doenças Oculares”, com o nome
de V.I. Helmholtz, do Ministério da Saúde da Rússia no período de 2012 a 2018, com 94 crianças monitoradas. Os óculos perifocais foram prescritos
para crianças de 7 a 14 anos, com miopia progressiva de (-) 1,0 D. a (-) 6,0 D., com acuidade visual corrigida de 0,8 ou superior e correta visão
binocular.

A média de idade no início do uso dos óculos foi de 10,5 ± 0,14 anos sendo prescritas lentes com desfocagem periférico para sua vida diária.
A correção realizada foi 0,5 dioptrias mais fracas que a refração cicloplegia. As crianças foram examinadas antes da prescrição dos óculos, após 6
meses, 12-18 meses, 2 anos, 3 anos e 4-5 anos do início dos óculos. O período máximo de observação é de 5 anos.

A dinâmica da refração foi avaliada em crianças usando óculos perifocais: após 6 meses – em 94 crianças (188 olhos), após 12-18 meses – em 72
crianças (142 olhos), após 2 anos – em 58 crianças (116 olhos), após 3 anos – em 42 crianças (84 olhos), após 4-5 anos – em 28 crianças (56 olhos).

O grupo controle consistiu em 52 crianças com miopia progressiva na idade de 8 a 14 anos. Todas as crianças do grupo de controle receberam
óculos de visão simple para uso permanente com correção quase completa. A média de idade no momento da inclusão no grupo controle foi de
10,5 ± 0,15 anos.

A refração foi considerada estável se seu valor aumentasse não mais que 0,5 dioptrias durante todo o período de observação (dinâmica de 0 a 0,5
dioptrias em 5 anos).

O exame das crianças foi realizado antes da entrega dos óculos assim como em cada um dos períodos designados. O exame incluiu: Visiometria
não corrigida e otimamente corrigida, determinação da Acuidade Visual, Refratometria antes e depois da cicloplegia (Ciclopentolato a 1% 2 vezes),
Biomicroscopia, Oftalmoscopia, determinação das Reservas Relativas de Acomodação, Forias assim como o estudo objetivo de refração periférica
a 15° e 30° nos meridianos nasal (N15 e N30) e temporal (T15 e T30) sem correção e em com óculos perifocais usando o equipamento Auto
Ref/Queratômetro WR-5100K (“Grand Seiko Co. Ltd. “, Japão). O comprimento do eixo anteroposterior do olho foi medido por biometria usando
interferometria óptica de coerência parcial com o equipamento IOL Master (Carl Zeiss, Alemanha).

O estudo com óculos perifocais foi realizado na direção primaria do olhar, a fim de preservar a situação de desfoque periférico induzido pelos óculos
ao olhar para longe.

Resultados e discussão

Efeito dos óculos de desfocagem perifocais na refração periférica do olho.

Os resultados feitos com Auto Ref/Queratômetro WR-5100K sem correção e com óculos Perifocal-M, mostraram um desfocagem hipermetrópico
em 61,5% dos olhos nas áreas T15° e T30°; em 46% dos olhos na área N15°; em 100% dos olhos N30°. A magnitude do desfoque hipermetrópico
não corrigido teve uma média de +0,11 ± 0,11 D. na área T15°; +0,72 ± 0,28 D. na área T30°; +0,02 ± 0,1 D. na área N15° e + 1,53 ± 0,2 dioptrias
na área N30 °.

Nos óculos Perifocal-M, o desfoque míope formou-se na zona de 15° em 100% dos olhos, com uma média de – 0,05 ± 0,1 D. na área em T15°,
(-) 0,25 ± 0,16 D. na área N15°, e (-) 0,44 ± 0,03 D. na área T30°.

Na região N30°, o desfoque hipermetrópico diminuiu 4 vezes e atingiu 0,38 ± 0,03 dioptrias (Fig. 1). Assim, os óculos de lente especialmente
projetados com progressão horizontal Perifocal-M, formam no olho, um desfocagem míope periférico relativo ou reduzem significativamente a
desfocagem hipermetrópico periférico.

Figura 1. Magnitude do desfoque periférico relativo sem correção e em óculos perifocais.

Eixo Horizontal. Área de medição de desfoque periférico relativo: as áreas T30 e T15 estão localizados a 30° e 15° do centro do lado temporal. Nos casos N15 e N30,
situam-se a 30° e 15° do centro no lado temporal enquanto as áreas N15 e N30, estão localizados a 30° e 15° do lado nasal.
Eixo Horizontal: Quantidade de Desfocagem periférico relativo, Dioptrias.

Figura 2. Magnitude do desfoque periférico relativo sem correção e em óculos perifocais.

 Eixo Horizontal. Aumento da refração em crianças dos grupos principal e controle em vários momentos do seu crescimento.

Influência dos óculos com desfocagem perifocal na dinâmica refrativa do olho e na medição do eixo anteroposterior do olho (PZO).

Após 6 meses de uso de lentes perifocais a refração objetiva cicloplégica mudou em +0.5 dioptrias (enfraquecimento) (-) 1.25 dioptrias.
A mudança média na refração cicloplégica objetiva foi de (-)0,2±0,01 dioptrias (Fig. 2). Nos primeiros seis meses de observação, 39,4% (74 olhos)
dos casos revelaram enfraquecimento na refração cicloplégica; a estabilização no clico das refrações foram observadas em um 36,7% (69 olhos)
casos. Um aumento na refração foi notado apenas em 23,9% (45 olhos) de casos de observação (Tabela 1).

A refração em crianças deste grupo aumentou em 0,63 dioptrias e mais pelo equivalente esférico. Apenas um 1,1% das crianças apresentaram
aumento bilateral da refração cicloplégica em (-)1,25 dioptrias. Durante os primeiros 6 meses de acompanhamento, o Gradiente de Progressão Anual
em óculos perifocais, diminuiu em 2 vezes em comparação com os valores iniciais (0,4 e 0,8 dioptrias, respectivamente, p<0,05) (Tabela 2).
O Comprimento do eixo Anteroposterior do olho, depois de 6 meses de uso com óculos perifocais gafas, aumentou em uma média de 0,05 ± 0,02 mm.

Tabela 1. Estabilização refrativa em diferentes períodos de observação em crianças do grupo principal que usavam
óculos de desfocagem perifocal e após 6 meses de uso de óculos perifocais a PZO aumentou em média 0,05 ± 0,02 mm.

Tabela 1. Estabilização refrativa em diferentes períodos de observação em crianças do grupo principal que usavam
óculos de desfocagem perifocal e após 6 meses de uso de óculos perifocais a PZO aumentou em média 0,05 ± 0,02 mm.

Após 6 meses, a mudança média na refração cicloplégica nas crianças do grupo de controle, foi de (–)0,38±0,04 dioptrias (ver Fig. 2). A refração
permaneceu estável em 40,4% (42 olhos) dos casos. Em outros casos, a refração aumentou em (-) 0,63-1,12 dioptrias na esfera equivalente.
O Gradiente de Progressão Anual em crianças do grupo controle foi de 0,8±0,05 dioptrias. Um aumento no comprimento anteroposterior do olho
em crianças do grupo controle foi 2 vezes mais que o principal, e totalizou 0,11±0,03 mm. (p<0,05).

Após 12-18 meses de uso de oculos perifocais, a refração objetiva cicloplégica aumentou uma média de (-)0,38±0,04 dioptrias (ver Fig. 2).
Em 9,7% (14 olhos) dos casos, observou-se enfraquecimento da refração em relação aos seus valores iniciais.
A estabilização da refração cicloplégica foi observada em 52,8% (76 olhos) dos casos. Em 37,5% dos casos, a refração aumentou em
0,63 -1,63 dioptrias em termos de esfera equivalente. Durante 12 – 18 meses de acompanhamento, o Gradiente de Progressão Anual em óculos
com desfocagem perifocal foi de 0,33±0,05 (ver Tabela 2). O comprimento do eixo anteroposterior após 12-18 meses de uso, mostraram umas
valores aumentados em média 0,11±0,02 mm. em comparação com os valores iniciais, ou seja, somente a essa altura, os indicadores do Comprimento
axial anteroposterior se aproximaram aos valores das crianças do grupo controle, avaliados após 6 meses de seguimento.

Nas crianças do grupo de controle, um aumento na refração foi detectado em 73,1% e durante este período em média (-) 0,63 ± 0,09 dioptrias
(ver Fig. 2). O Aumento do Comprimento Axial Anteroposterior foi quase 2 vezes maior em comparação com esse indicador nas crianças do grupo
principal, e após 12 – 18 meses de observação, seus valores foram 0,20±0,03 mm. O valor do Comprimento Axial Anteroposterior do grupo de controle
para este período foi de 0,53±0,08 dioptrias. Diferença entre os indicadores em crianças dos grupos principal e controle é estatisticamente significativa
(p<0,05).

Após 2 anos de uso de óculos perifocais, a refração objetiva com cicloplegia aumentou em (-) 0,78 ± 0,06 dioptrias de média em comparação com
os valores iniciais. Em 2,6% (3 olhos) dos casos, observou-se um enfraquecimento da refração em relação aos seus valores iniciais. A estabilização
da refração cicloplégica foi observada em 47,4% (55 olhos) dos casos, em 50,0% (58 olhos) dos casos, a refração cicloplégica aumentou em relação
aos valores do início da observação. Nas crianças desse grupo, a refração aumento em 0,63 – 2,25 dioptrias em termos de esfera equivalente.
Em 28,4% (33 olhos) dos casos, o aumento foi insignificante, de 0,63-1,0 dioptrias; em 19,0% (22 olhos) o aumento foi de
1,25 – 2,0 dioptrias, assim como uma progressão para mais de 2,0 dioptrias, apenas em 2,6% (3 olhos) dos casos (Fig. 3). O
2º ano de acompanhamento da progressão do gradiente, com óculos Perifocal-M, mostro valores 2 vezes menores que o valor inicial e
totalizaram 0,3 ±0,05 dioptrias (ver Tabela 2). Valor Eixo Anteroposterior do Olho após 2 anos de uso de óculos Perifocal-M, aumentou em
média 0,22 ± 0,03 mm em comparação com os valores iniciais.

Fig 3. Mudanças na refração cicloplégica em crianças que usaram óculos perifocais a longo prazo, em comparação com os
valores iniciais.

Nas crianças do grupo de controle, um aumento na refração foi detectado em 92,3% dos casos, com uma média (-)1,18±0,15 dioptrias (ver Fig. 2).
O aumento do eixo Anteroposterior do Olho foi de 0,50±0,06 mm. A diferença entre os indicadores das crianças dos grupos principal e controle,
é estatisticamente significativa (p<0,05).

O valor do gradiente da progressão para o 2º ano de observação nas crianças do grupo controle foi de 0,62 ± 0,08 dioptrias, 2 vezes maior
do que foi mostrado pelas crianças do grupo principal (ver Tabela 2). A refração objetiva cicloplégica aumentou após 3 anos de uso de óculos
perifocais por (-) 0,99 ± 0,12 dioptrias de média em comparação com os valores iniciais (consultar a Fig. 2). A estabilização da refração cicloplégica
foi observada em 46,4% (39 olhos) dos casos, em 2,4% (2 olhos) foi observado um enfraquecimento da refração cicloplégica. Em 51,2%
casos, a refração cicloplégica em 3 anos mostrou um aumento de 0.63 – 2.88 dioptrias em termos de esfera equivalente (ver Tabela 1). Para
um valor de 22,6% (19 olhos) dos casos, o crescimento foi de 0,63-1,0 dioptrias, para um 20,3% (17 olhos) dos casos, a mudança foi de
1,12-2,0 dioptrias. Mais de 2,0 dioptrias, foi verificado em 8,3% dos casos (ver Fig. 3).
No 3º ano de acompanhamento, o Gradiente de Progressão em óculos com desfocagem perifocal foi de 0,21 ± 0,03 dioptrias (ver Tabela. 2).
Após 3 anos de uso de óculos perifocais, o valor do comprimento do eixo anteroposterior aumentou em média 0,36 ± 0,04 mm em relação
aos valores iniciais observados.

As crianças do grupo controle não tiveram um caso de estabilização de refração em 3 anos. A refração objetiva aumentou após 3 anos,
em média por (-)1,65 ± 0,2 dioptrias (ver Fig. 2). A média do gradiente de progressão no ano 3, totalizou 0,47±0,08 dioptrias.
O comprimento do Eixo Anteroposterior do Olho, aumentou em 0,58±0,08 mm. A diferença nos valores do Gradiente de Progressão Anual
E do Comprimento do Eixo Anteroposterior, nos grupos de controle e principal é estatisticamente significativo (p<0,05).

Após 4-5 anos de uso contínuo de óculos perifocais, a refração objetiva cicloplégica aumentou em média (-) 1,16 ± 0,13 dioptrias em comparação
com os valores iniciais (ver Fig. 2). A estabilização da refração em relação aos valores iniciais, foi observada em 37,5% (21 olhos) dos casos,
enquanto um enfraquecimento em 3,6% (2 olhos). No resto dos casos por 4-5 anos, a refração aumentou em 0,63 – 3,0 dioptrias em esfera
equivalente (ver Tabela 1); em 28,6% (16 olhos), o aumento foi ligeiro, entre 0,63-1,0 dioptrias, entre 1,12 e 2,0 dioptrias para o 21,4% dos casos
(12 olhos), mais de 2,0 dioptrias para o 8,9% dos casos (5 olhos) (ver Fig. 3). Casos de refração aumentada em mais de (-) 3,0 dioptrias
não foram comparados com a linha de base.

No último ano de acompanhamento, o gradiente de progressão com óculos Perifocal-M foi de 0,17 ± 0,02 dioptrias.
(ver Tabela 2), enquanto durante todo o período de observação de 4-5 anos, o Gradiente de Progressão Anual foi de 0,26 D/ano.
Nos pacientes do grupo principal, o valor do Eixo Anteroposterior do Olho, após 4-5 anos de uso de lentes perifocais, aumentou
uma média de 0,46 ± 0,05 mm em comparação com os valores iniciais.

Em crianças do grupo controle, a refração cicloplégica objetiva, após 4-5 anos, aumentou em média em (-)1,95±0,26 dioptrias, o gradiente
de progressão, no último ano de observação foi de 0,3±0,06 dioptrias e durante todo o período de observação o valor médio foi de 0,44 dioptrias/ano.
O comprimento do Eixo Anteroposterior aumentou em 0,71 ± 0,09 mm. Diferença entre os valores de crescimento da
refração, Gradiente de Progressão Anual e Comprimento de Eixo Anteroposterior em crianças dos grupos principais e de
controle são estatisticamente significativos (p<0,05).

Análise dos resultados da Tabela 1 e 2 mostram que a estabilização completa (e até ligeiro enfraquecimento) da refração nas crianças do
grupo principal que usavam óculos com desfocagem perifocal, foi observado em 62,5% dos casos durante os primeiros 12-18 meses de seguimento
e em 48,8% dos casos em 3 anos. Nas crianças do grupo controle, esses indicadores foram 26,9 e 0%, respectivamente. A estabilização da miopia
foi marcada em 41,1% das crianças do grupo principal após 4-5 anos de observações. Deve-se notar que as crianças observadas estavam na idade
de crescimento e progressão da miopia mais Activos. A idade média das crianças no início da observação era de 10,5 anos. Nessa
idade, a estabilização espontânea dentro de 3 anos é observada em não mais que 3-7% dos casos.
Em nosso estudo, não houve estabilização nas crianças do grupo controle em nenhum caso. No Estudo de Avaliação da Correção da Miopia (COMET), a idade de estabilização variou por gênero e grupo étnico. O período médio de estabilização da progressão da miopia mudo de uma idade de 14,44 para 15,28 anos para meninas e de 15,01 a 16,66 anos para meninos. Aos 12 anos, a lateralidade foi avaliada como estável apenas em 37% (41 de 112) africanos, enquanto nas outras etnias o valor era bem inferior 13% (8 em 62) em hispânicos e 15% (5 de 33) em asiáticos [23].

Em nosso estudo, além de um 41,1% das crianças, com uma refração estável por 4-5 anos, um 28,6% das crianças do grupo principal,
a progressão da miopia, durante todo o período de observação, não foi mais do que 1,0 dioptrias (ou seja, a taxa de progressão até 0,15 dioptrias /
ano), e apenas em 8,9% das crianças, a refração aumentou mais de 2,0 dioptrias ao longo de 4-5 anos de observação.
O Gradiente de Progressão Anual médio em 4,5 anos de observação foi de 0,26 dioptrias / ano nas crianças do grupo principal e 0,44 dioptrias / ano
para o grupo controle.

Aa Tabela 2 mostra dados comparativos sobre a taxa de progressão da miopia em crianças com o grupo de controle. Nos primeiros 12-18 meses,
a progressão da miopia em comparação com grupo controle diminuiu 1,6 vezes, após 4-5 anos, 1,8 vezes. Em comparação com os valores iniciais,
houve uma diminuição na progressão 4,7 vezes. De particular interesse é que não foram detectados casos de crescimento de exo/esoforia induzidos
pelo uso de óculos perifocais detectados durante todo o período de observação.

Os resultados obtidos por nós com crianças do grupo controle, coincidem com os dados de outros autores. K. Chung et ai. (2002) em crianças,
com óculos monofocais, revelou a progressão da miopia, ao longo de 2 anos, em 0,77 dioptrias com correção completa e em 1,0 dioptrias,
com correção incompleta [2]. Pelo contrário, na observação de Y. Sun et al. (2017), em crianças de 12,7 anos, com correção de miopia leve com
lente monofocal, a progressão foi de 1,04 dioptrias por 2 anos, na ausência de correção – 0,75 dioptrias [3].

Em ambos os casos, o valor do Gradiente de Progressão Anual, variou de 0,5 a 0,38 dioptrias/ano, que corresponde aos valores deste indicador
nas crianças do nosso grupo de controle. Vale ressaltar que a idade média das crianças incluídas em nosso estudo foi 10,5 anos. Isso significa
que a observação foi para crianças de 10,5 a 15 anos, ou seja, durante o período de crescimento corporal e a progressão mais ativa da miopia.

Conclusões

I)    Os óculos perifocais formam uma desfocagem míope de 15° na periferia nasal e temporal da retina e a 30 ° do temporal; na periferia nasal (30 º da retina), o desfoque hipermetrópico diminui 4 vezes.

II)    No contexto do uso constante de óculos perifocais, a taxa de progressão da miopia em crianças diminui 4,7 vezes em comparação com o nível inicial, e 1,6 vezes (em 60%), em comparação com os indicadores em crianças do grupo de controle.

III)    Estabilização completa da miopia durante o uso de óculos perifocais em crianças pré-adolescentes e adolescentes foram i observados em 62,5% dos casos dentro dos primeiros 12-18 meses, em 50,0% dos casos – dentro de 2 anos, em 41,1% dos casos, dentro de 4-5 anos. Nas crianças do grupo controle, foram observados indicadores semelhantes
em 26,9% dos casos, em 12-18 meses assim como em 7,7% dos casos aos 2 anos. A longo prazo, não se observou um único caso de estabilização.

IV)    Os óculos com desfocagem perifocal podem ser recomendados como um método óptico não invasivo e confiável para desacelerar a taxa de progressão da miopia e até a sua estabilização.

Contribuição do Autor:

Conceito e projeto de pesquisa: E.T., G.M., N. T.
Coelta e tratamento de material: O.P., S.M.
Processamento estatístico: O.P., S.M.,
Redação do texto: O.P., S.M.
Edição: E.T.

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Referências

1.      Avetisov E.S., Rosenblum Yu.Z. Qual deve ser a correção óptica da miopia? (Aos resultados da discussão). Boletim de Oftalmologia.
1970; 6: 31-36.

2.      Chung K, Mohidin N, O’Leary DJ. A hipocorreção da miopia aumenta em vez de inibir a progressão da miopia. Pesquisa de visão. 2002; 42: 2555-2559. https://doi.org/10.1016/S0042-6989(02)00258-4

3.      Sun YY, Li SM, Li SY, Kang MT, Liu LR, Meng B, Zhang FJ, Millodot M, Wang N. Efeito da falta de correção versus correção completa na progressão da miopia
em crianças de 12 anos. Graefe´s Archive for Clinical and Experimental Ophthalmology. 2017;255(1): 189-195.

4.      Wallman J, Winawer J. Homeostase do crescimento ocular e questão da miopia. Neurônio. 2004; 43 (4): 447-468.

5.      Smith EL 3º, Kee CS, RamamirthamR, Qiao-Grider Y, Hung LF. A visão periférica pode influenciar o crescimento ocular e o desenvolvimento refrativo em lactantes
Macacos. Pesquisa Oftalmologia e Ciências Visuais. 2005; 46 (11): 3965-3972. https://doi.org/10.1167/iovs.05-0445

6.      Smith EL 3º, Huang J, Hung LF, Blasdel TL, Humbird TL, Bockhorst KH. Privação da forma hemirretiniana: evidência de controle local do crescimento ocular e desenvolvimento refrativo em macacos lactentes. Pesquisa Oftalmologia e Ciências Visuais. 2009;50:5057-5069.

7.      Hoogerheide J, Rempt F, Hoogenboom WP. Miopía adquirida em jovens pilotos. Ophthalmologica. 1971;163:209-215

8.      Mutti DO, Hayes JR, Mitchell GL, Jones LA, Moeschberger ML, Cotter SA, Kleinstein RN, Manny RE, Twelker JD, Zadnik K. Erro Refrativo, Comprimento axial e erro de refração periférico antes e depois de do inicio da miopía. The CLEERE Study Group. Investigative Opthalmology and Visual Science. 2007;48:2510-2519. https://doi.org/10.1167/iovs.06-0562

9.      Тарутта Е.П., Иомдина Е.Н., Толорая Р.Р., Кружкова Г.В. Динамика периферической рефракции и формы глаза на фоне ношения ортокератологических линз у детей с прогрессирующей миопией. Российский офтальмологический журнал. 2016;9(1):62-66. Tarutta EP, Iomdina EN, Toloraya RR, Kruzhkova GV. Dinâmica refrativa periférica e forma do olho em crianças com miopia progressiva usando lentes ortoqueratologicas. Rossijskij oftal’mologicheskij zhurnal. 2016;9(1):62-66. (In Russ.).

10.      Тарутта Е.П. Вержанская Т.Ю. Стабилизирующий эффект ортокератологической коррекции миопии (результаты десятилетнего динамического наблюдения). Вестник офтальмологии. 2017;133(1):49-54. Tarutta EP, Verzhanskaya TYu. Efeito Estabilizador das lentes ortoqueratológicas (resultados de seguimento de dez anos). Vestnik oftal’mologii. 2017;133(1):49-54. (In Russ.). https://doi.org/10.17116/oftalma2017133149-54

11.      Нероев В.В., Тарутта Е.П., Ханджян А.Т., Ходжабекян Н.В., Милаш С.В. Различия профиля периферического дефокуса после ортокератологической и эксимерлазерной коррекции миопии. Российский офтальмологический журнал. 2017;10(1):31-35. Neroev VV, Tarutta EP, Khandzhyan AT, Khodzhabekyan NV, Milash SV. Diferença no perfil de desfocagem periférico após ortoqueratologia e correção da miopia. Rossijskij oftal’mologicheskij zhurnal. 2017;10(1):31- 35. (In Russ.).

12.      Bullimore M. Control da Miopia: a hora é agora. Óptica Oftálmica e Fisiológica. 2014;34(3):263-266. https://doi.org/10.1111/opo.12130

13.      Wen D, Huang J, Chen H, Bao F, Savini G, Calossi A, Chen H, Li X, Wang Q. Eficácia e aceitabilidade da ortoqueratologia para retardar a progressão da miopia em crianças: uma revisao sistemática e meta – análise. Journal of Ophthalmology. 2015;360806:12. https://doi.org/10.1155/2015/360806

14.      Smith G, Atchison DA, Avudainayagam C, Avudainayagam K. Desenho de lentes para corrigir os erro de refração periférica do olho. Journal of the Optical Society of America. A, Optics, Image Science, and Vision. 2002;19(1):10-18. https://doi.org/10.1364/josaa.19.000010.

15.      Tabernero J, Vazquez D, Seidemann A, Uttenweiler D, Schaeffel F. Efeitos das lentes corretoras na miopía e gradiente refrativo radial na refração periférica. Vision Research. 2009;49(17):2176-2186. https://doi.org/10.1016/j.visres.2009.06.008.

16.      Тарутта Е.П., Ибатулин Р.А., Милаш С.В., Тарасова Н.А., Проскурина О.В., Смирнова Т.С., Маркосян Г.А., Епишина М.В., Ковычев А.С. Влияние очков «Перифокал» на периферический дефокус и прогрессирование у детей. Российская педиатрическая офтальмология. 2014;9(4):53. Tarutta EP, Ibatulin RA, Milash SV, Tarasova NA, Proskurina OV, Smirnova TS, Markosyan GA, Epishina MV, Kovychev AS. Influência dos óculos “Perifocais” no desfoque periférico e na progressão da miopia em crianças. Rossijskaya pediatricheskaya oftal’mologiya. 2014;9(4):53(In Russ.).

17.      Тарутта Е.П., Проскурина О.В., Милаш С.В., Ибатулин Р.А.,Тарасова Н.А., Ковычев А.С., Смирнова Т.С., Маркосян Г.А., Ходжабекян Н.В., Максимова М.В., Пенкина А.В. Индуцированный очками «Perifocal-M» периферический дефокус и прогрессирование миопии у детей. Российская педиатрическая офтальмология. 2015;10(2):33-37. Tarutta EP, Proskurina OV, Milash SV, Ibatulin RA, Tarasova NA, Kovychev AS, Smirnova TS, Markosyan GA, Khodzhabekyan NV, Maksimova MV, Penkina AV. Desfocagem Periférico induzido pelo desenho “Perifocal-M” e progressão da miopia em crianças. Rossijskaya pediatricheskaya oftal’mologiya. 2015;10(2):33-37. (In Russ.).

18.      Aller ТA, Liu М, Wildsoet СF. Controle da miopia com lentes de contato bifocais: um ensaio clínico randomizado. Optometry and Vision Science. 2016;93(4):344- 352. https://doi.org/10.1097/OPX.0000000000000808

19.      Проскурина О.В. Парфенова Н.П. Подбор и назначение мягких индивидуальных дефокусных линз для контроля миопии. Современная оптометрия. 2017;9(109):12-19. Proskurina OV, Parfenova NP. Seleção e Prescrição de lentes moles para o controle da miopia. Sovremennaya optometriya. 2017;9(109):12-19. (In Russ.).

20.      Walline JJ, Gaume Giannoni A, Sinnott LT, Chandler MA, Huang J, Mutti DO, Jones-Jordan LA, Berntsen DA; BLINK Study Group. Estudo randomizado de lentes de contato moles multifocais para o controle da miopia: dados e métodos de referência. Optometry and Vision Science. 2017;94(9):856-866. https://doi.org/10.1097/OPX.0000000000001106.

21.      Sankaridurg P, Donovan L, Varnas S, Ho A, Chen X,Martinez A, Fisher S, Lin Z, Smith EL III, Ge J, Holden B. Lentes oftálmicas desenhadas para reduzir a progressão da miopia: resultadis a 12 meses. Optometry and Vision Science. 2010;87(9):631-641. https://doi.org/10.1097/OPX.0b013e3181ea19c7.

22.      Berntsen DA, Barr CD, Mutti DO, Zadnik K. Desfocagem periférico e progressão da miopia em crianças míopes aleatoriamente designadas para usar lentes de visão simple e lentes de adição progressiva. Investigative Opthalmology and Visual Science. 2013;54(8):5761-5770. https://doi.org/10.1167/iovs.13-11904.

23.      The COMET Group. Estabilizaçao da miopia e fatores associados entre os participantes do estudo da avaliação da correção miópica (COMET). Investigative Opthalmology and Visual Science. Investigative Opthalmology and Visual Science. 2013;54(13):7871-7884. https://doi.org/10.1167/iovs.13-12403

BOLETIM DE OFTALMOLOGIA 5, 2019